terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Zurich 2011

Desta vez a viagem foi a trabalho e portanto não houve possibilidade de conhecer, como desejaria, a cidade.




A viagem de correu no início de Fevereiro e o bilhete de ida na Swiss e volta na TAP ficou por 200€ a cabeça. Numa das cidades com melhor qualidade de vida do mundo os preços são o que de menos atractivo tem, principalmente para um Tuga, ainda para mais em época de crise. O quarto individual de hotel *** na zona "velha" da cidade ficou por 350€, 4 noites com pequeno almoço. Só para terem uma ideia, em Londres, consegue-se este preço para duas pessoas (sem grandes luxos, bem entendido). A comida é extremamente cara e raramente se consegue comer por menos de 15-20 CHF. Almocei várias vezes na cantina da Universidade de Zurich e paguei sempre à volta de 13 CHF. Nos restaurantes da cidade, aqueles onde se consegue comer mais em conta, ficam na rua Niederdorfstrasse, mas pagava-se sempre cerca de 20-25 CHF.



Um  almoço na universidade... hummm

Um sítio muito popular entre os visitantes da cidade é o Zeughauskeller. Local típico onde se pode apreciar um pouco da comida suíça. Não é que se compare ao nosso cozido ou à feijoada, mas umas salsichas, sempre são umas salsichas, ainda por cima são vendidas ao metro (+- 24 CHF)... Há outros pratos, sempre à base de salsicha, ou então têm ainda uma espécie de bifinhos com cogumelos e natas (+- 34 CHF).



Nesta cidade marcada pela influência Germânica, ou não fosse o Alemão a Língua oficial, a maioria das pessoas também fala Inglês, por isso não há problemas de comunicação. Se não resultar tentem o Português, pois é bem provável que encontrem um conterrâneo.

Os transportes públicos são a imagem de marca da cidade com 380000 habitantes. Quase não há carros a circular pelo centro da cidade e muitos habitantes nem têm carro próprio. Ou recorrem ao sistema de carsharing ou alugam um carro quando precisam de sair da cidade.

Existem autocarros, comboios e metro de superfície (Tram como eles lhe chamam). São transportes modernos e extremamente cómodos.Os bilhetes normalmente dão para qualquer transporte, sendo que têm um tempo de validade, 1hora, 2 horas... e por aí fora. Claro que o preço é proporcional ao tempo. Uma viagem do aeroporto para a estação central de Zurich, de comboio, fica por 6.40 CHF, de Tram, não experimentei, mas constou-me que a diferença não é muita, com a agravante que demora 3 vezes mais que o comboio (35min vs 12 min).
A estação de comboios de Zurich é a maior do mundo, com 58 gates distribuídas por vários andares.
Estação de Comboios

                                                                  Tram

O rio Limmat, que divide a cidade em duas, dá um toque extremamente agradável à cidade. Parece que no Verão a malta se aventura nas suas águas e dá uns mergulhos - Ui que fresquinho, um rio que vem dos Alpes...

No dia do regresso estavam cerca de 8º graus à tarde e já parecia Verão para os habitantes da cidade. Estavam nas esplanadas e nos bancos de jardim a apanhar sol.

  Uma cama gigante no átrio de um dos edifícios da Universidade de Zurich Zentrum.

 Vista nocturna da principal cidade da cidade - Central Plaza, onde se pode apanhar qualquer transporte público.
 Na terra dos relógios, estes existem às centenas, estão por todo o lado, por isso, para quem vem para esquecer o tempo, os suíços fazem os possíveis para que tal não aconteça, é impossível não se saber "a quantas andamos".

Vista da cidade a partir da universidade


Para o fim deixo-vos um conselho: aproveitem para comprar os famosos chocolates suíços, não são propriamente baratos, mas valem cada franco pago. São divinais...